Tecnologia Assistiva e seus recursos no trabalho com crianças com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA) no projeto ADACA

Contenido principal del artículo

Autores/as

Vera Lucia Caminha

Priscila Pires Alves

Adriano De Oliveira Caminha

Davidson De Faria

Tainá Mani Almeida

Resumen

Os estudos que envolvem a relação entre a pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e as Tecnologias Assistivas ainda são incipientes no que tangem aos dispositivos que favorecem o desenvolvimento da comunicação alternativa dos autistas. Para tanto, identificar as necessidades específicas de aprendizagem para esse tipo de deficiência requer o desenvolvimento de estudos e pesquisas que facilitem o estabelecimento dessa comunicação e facultem a inclusão dessas pessoas na sua relação ensino-aprendizagem. O Ambiente Digital de Aprendizagem para Crianças Autistas - ADACA, é um projeto de pesquisa e extensão que está sendo realizado na Universidade Federal Fluminense (UFF), onde são desenvolvidas ferramentas  computacionais com o objetivo de auxiliar na aprendizagem da criança com autismo, contribuindo para a inclusão digital dessas crianças. O TEA consiste em um distúrbio que engloba o comprometimento nas áreas relacionadas à comunicação, à interação e às ações simbólicas. Além disso, compromete o comportamento geral e o desenvolvimento neuropsicológico da pessoa com TEA. Nesse sentido, a equipe do projeto ADACA vem desenvolvendo jogos e atividades educacionais de acesso gratuito para diferentes plataformas computacionais. Os jogos e atividades educativas são testados e analisados pelas crianças com autismo no LADACA (Laboratório do Ambiente Digital de Aprendizagem para Crianças Autistas) o qual é dividido em três ambientes (Lúdico, Computacional e Gerenciamento). Foram desenvolvidos também jogos e aplicativos para dispositivos móveis, para que sejam usados onde a criança estiver. Trata-se de um projeto interdisciplinar envolvendo as áreas de Ciências da Computação, Fonoaudiologia e Psicologia e do desenvolvimento da aprendizagem, gerando dados para se pensar em estratégias de intervenção e atuação com pessoas com TEA que favoreçam sua interação e desenvolvimento com as habilidades e competências que lhe concernem.

Palabras clave:

Detalles del artículo

Citas

ALVES, P. P. ; CAMINHA, V. L. P. S. ; MORATO, P. . “Desafios no processo de inclusão da pessoa com transtornos do espectro do autismo: o uso de tecnologias assistivas em ambientes digitais de aprendizagem”. In: XIV JORNADA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E II CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA, 2018, Marília-SP. Educação Unespecial [recurso eletrônico] : anais / XIV Jornada de Educação Especial e II Congresso Internacional de Educação Especial e Inclusiva., v. 1. p. 175-181, 2018.
ALVES P.P., ALMEIDA T.M., CAMINHA V.L.P.S., CAMINHA A.O., ”Desafios no
atendimento a crianças com Transtornos do Espectro do Autismo:
Construindo vínculos e favorecendo a interação em ambientes digitais
de aprendizagem”, anais do XI Congresso Brasileiro de Psicologia do
Desenvolvimento, Universidade Federal de Sergipe, 2017.
ALVES, Priscila P.; CAMINHA, Adriano de O.; CAMINHA, V. L. P. S., Diálogo como recurso para observação e intervenção no trabalho com a dinâmica Familiar do Autista: Estratégias para o Favorecimento do Coping, Anais do X Congresso Ibero Americano de Psicologia, Lisboa, Portugal, 2014.
ALVES, Priscila P.; CAMINHA, Adriano de O.; CAMINHA, Vera Lúcia P. S., Estratégias de Coping para interação entre a família e a pessoa autista: um olhar a partir da perspectiva dialógica, Anais do IX Congresso Norte Nordeste de Psicologia (CONPSI), Salvador, Bahia, 2015.
ALVES, Priscila P.; CAMINHA, Adriano de O.; CAMINHA, Vera Lúcia P. S., Assistive Technologies As A Resource To Facilitate The Interaction Of Autistic Person And The Family Coping Strategies, Anais do Congresso Internacional de Autismo na Vida Adulta, São Paulo-SP, 2015.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-V). Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2013.

AGUIAR, Luciana.Gestalt-Terapia com crianças: teoria e prática. Editora Livro Pleno, S.P., 2005.

AMESCUA, Guadalupe. Autismo na teoria Gestalt em direção a uma teoria Gestalt da personalidade. Gestalt Review, 3(3):226-238, 1999.

BUBER, Martin. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva, 1982 .

BUBER, Martin. Encontro: fragmentos autobiográficos. Petrópolis: Vozes, 1991.

BUBER, Martin. Eu e Tu. 5.ed. São Paulo: Centauro, 2001.

CAMINHA V.L.P.S., CAMINHA A.O., SANTOS C.P., ”Jogos educacionais para
auxílio na aprendizagem de crianças com autismo”, anais do V Congresso
Baiano de Educação Inclusiva, III Simpósio Brasileiro de Educação
Especial - Educação Inclusiva: Saberes, prática e emancipação,
Universidade Estadual de Feira de Santana, 2017.

CAMINHA, V. L. P. S.; HUGUENIN, J. Y.; ASSIS, L. M.; ALVES, P. P.; Autismo: Vivências e Caminhos, Ed. Blucher, v. 1, 139p, 2016.
CAMINHA, V. L. P. S.; CAMINHA, A. O.; ALVES, P. P.; Ambiente Digital de Aprendizagem para Crianças Autistas (ADACA), In: Caminha, Vera L. P. S., Huguenin, Julliane, Assis, Lúcia M., Alves, Priscila Pires; "Autismo: Vivências e Caminhos", Ed. Blucher, v. 1, p. 123-137, 2016.
CAMINHA, V. L. P. S., CAMINHA, A. O.,VICENTE, G. L. F., ASSIS, L. M., HUGUENIN, J. Y., ALVES, P. P., FELIX, P. C., PIMENTEL, R. D. P., Ambiente Digital de Aprendizagem para Crianças Autistas (ADACA). In: II Fórum Internacional de Inclusão: Discutindo Autismo e Deficiência Múltipla, Rio de Janeiro. Anais do II Fórum Internacional de Inclusão: Discutindo Autismo e Deficiência Múltipla. v.1. p.156 -167, 2013.
CAMINHA, V. L. P. S., Ensaios sobre Autismo e Deficiência Múltipla. In: Nunes, L. R. O. (Org.). A Contribuição dos Recursos Digitais para a Inclusão de Pessoas com Autismo, Marília: ABPEE: Marquezine & Manzini, p.107-116, 2013.
FERREIRA, M. E. C., GUIMARÃES, M., Educação inclusiva. Rio de Janeiro; DP&A, 2003.
GLAT, R. & BLANCO, L, V. M., Educação Especial no contexto de uma Educação Inclusiva. In: GLAT, R. (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, p. 15-35, 2007.
GALVÃO FILHO, T. A. et al. Conceituação e estudo de normas. In: BRASIL, Tecnologia Assistiva. Brasília: CAT/SEDH/PR, p. 13-39, 2009.
KE, F., A Qualitative Meta-Analysis of Computer Games a Learning Tools. University of New Mexico, USA. 2009.

GONÇALVES, S.; QUINTAS, J.. Mesa-redonda 08: I - Propondo uma visão gestáltica sobre o autismo. II - A Gestalt-terapia nas situações de emergência e em diálogo com o SUS: a clínica do contato, do trauma à reabilitação.. Congressos e Encontros Nacionais da Gestalt-Terapia Brasileira (ISSN: 2179-5673), América do Sul, 9 18 02 2010.

MANTOAN, M. T. E., Caminhos pedagógicos da inclusão; Como estamos implementando a educação (de qualidade) para todos nas escolas. São Paulo: Memnom, 2006.
MAZZOTA, M. J. S., Trabalho Docente e Formação de professores em Educação Especial. São Paulo. EPU, 1993.
MITTLER, P., Educação Inclusiva: Contextos Sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.
PASSERINO, L. M.; SANTAROSA, L. C. M., EDUKITO: Propiciando a inclusão digital de Pessoas com Necessidades Educacionais Especias – CINTED-UFRGS, V.2. No. 1, Março, 2004.
PASSERINO, L. M.; SANTAROSA, L. C. M., Interação social no autismo em ambientes digitais de aprendizagem. Psicol. Reflex. Crit. v.20 n.1- Porto Alegre, 2007.
PONTY, M., Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
SASSIKI, R. K., Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. 4ª ed. Rio de Janeiro. WWA, 2002.
SILVA, M. do C. B. de L.; BROTHERHOOD, R. de M., Autismo e inclusão: da teoria à prática. Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar. Maringá, Paraná. 2009. Disponível em: Acesso em: 01 nov 2012.
STAINBACK, S.; STAINBACK, W., Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

VARELA, R.C.B e OLIVER, F. C. A utilização de Tecnologia Assistiva na vida cotidiana de crianças com deficiência. Ciência & Saúde Coletiva, 18(6):1773-1784, 2013.

VYGOTSKY, L., Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VYGOTSKY, L., A formação social da mente. 2a. Edição. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Licencia

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObrasDerivadas 4.0.

Los autores que publican en la Revista Iberoamericana de Psicología están de acuerdo con los siguientes términos:

  1. Los autores conservan los derechos de autor y garantizan a la revista el derecho de ser la primera publicación del trabajo al igual que licenciado bajo una Creative Commons Attribution License que permite a otros compartir el trabajo con un reconocimiento de la autoría del trabajo y la publicación inicial en esta revista.
  2. Los autores pueden establecer por separado acuerdos adicionales para la distribución no exclusiva de la versión de la obra publicada en la revista (por ejemplo, situarlo en un repositorio institucional o publicarlo en un libro), con un reconocimiento de su publicación inicial en esta revista.
  3. Se permite y se anima a los autores a difundir sus trabajos electrónicamente (por ejemplo, en repositorios institucionales o en su propio sitio web) antes y durante el proceso de envío, ya que puede dar lugar a intercambios productivos, así como a una citación más temprana y mayor de los trabajos publicados
  4. Los conceptos y opiniones expresados en los artículos son responsabilidad exclusiva de los autores y no comprometen a la Corporación Universitaria Iberoamericana. Se autoriza la reproducción citando la fuente. Los contenidos de esta revista se distribuyen bajo licencia: Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0 Unported